terça-feira, 31 de agosto de 2010

Untitled.


Viver os meus dias tem sido uma doce mistura entre agoniante, irritante e ao mesmo tempo tão fantástico.
Acho que não poderia ser diferente, porque no fim tudo acaba incrivelmente acontecendo de forma positiva, mesmo após dias de sol escaldante, hoje amanheceu frio e isso me deixou feliz.
Eu sei, não é um grande motivo, mas o frio me faz bem, mesmo que hoje não tenha feito o frio que eu esperava.
Mas é assim mesmo nem tudo é como a gente quer e o clima não é algo que eu possa controlar, isso apenas o grande mestre lá de cima pode fazer. Porém, existem coisas que temos o poder de fazer acontecer.
E eu como pessoa preguiçosa que sou, estou sempre deixando tudo pra depois, e apenas reclamando por algo não ter saído como o planejado, e por conta disso estou sempre perdendo oportunidades.
Quantas coisas eu deveria ter dito quando me foi permitido, quando o universo estranhamente conspirava ao meu favor. Quantas chances de falar o que eu sentia foram perdidas apenas por mero orgulho. Quantos telefonemas deixei de dar, porque simplesmente me faltava a voz.
É, quantas coisas deixadas pra depois... O problema não é deixar pra depois, o problema é que ás vezes nos esquecemos que se o depois for muito depois, acaba se tornando tarde demais. E quando isso acontece, é tarde demais para fazer qualquer coisa.

m.


segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Frases sem concordância.


Sabe, ás vezes eu começo a pensar, eu queria ter alguém para quem escrever.
Alguém que goste de olhar as estrelas comigo, que passe uma tarde toda ao meu lado apenas conversando, sobre todo e qualquer assunto que possa existir no mundo.
Alguém que entenda que se eu sou fria ás vezes não quer dizer que dentro de mim não exista amor, pelo contrário, existe sim, mais do que todas as pessoas possam imaginar.
Alguém que me ouça, que dê risada comigo, que chore comigo ás vezes, caso for necessário, que brigue comigo, quando eu tiver errada.
Alguém que tire inúmeras fotos comigo, apenas para eternizar os nossos momentos, alguém que tenha o poder de me levar a outros lugares, sem se quer sair daqui.
É, eu quero ter alguém, quero muito.
O problema é que esse alguém não existe ou simplesmente está distante dos meus olhos.
E enquanto eu não acho, eu continuo a olhar fotos, fotos que me fazem querer ainda mais o que parece estar tão longe do meu alcance.

m.

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

I believe in heaven. And also believe in hell.


Dizem que a emoção mais forte e mais antiga do mundo é o medo, precisamente o medo do desconhecido. O medo de morrer é um deles.
Um medo avassalador diria eu, sutilmente construído através dos anos desde as primeiras civilizações.
Pra onde vamos? Céu e inferno, será que existem mesmo? Eu acredito neles.
Acredito que existem momentos de céu na terra, momentos que nos levam a outros lugares, momentos que nos dão a sensação de paraíso.
E como não há bem sem mal e vice-versa, vivemos nossos infernos diariamente na Terra, o inferno das paixões, da ambição, da busca e do medo que surja alguém para dizer que tudo acabou.
Morte, céu, inferno. Todas questões que ninguém sabe ao certo o que dizer sobre elas. E é por isso mesmo que surge o medo de morrer, a curiosidade em saber o que espera por nós ao chegar lá.
Mas uma certeza eu tenho, vou viver, viver intensamente até que um dia o leve sopro da morte me leve para bem longe daqui.

m.

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Hapiness?


Muitas coisas vem acontecendo comigo, falta de inspiração é uma delas, mas isso não é novidade. A novidade é que eu estou muito feliz, é difícil eu ficar assim, e não há um motivo para isso, quer dizer, nenhum fato específico para essa tal felicidade.
Acho que eu nunca ri tanto como ontem e hoje, quem me conhece sabe que eu não sou assim, raramente dou risada de tudo.
Não sei se isso é bom, se estou apenas enganando a mim mesma ou talvez seja uma de minhas muitas fases.
Ah, mas quer saber de uma coisa? Não estou nem ai em classificar isso.
E sabe o que eu penso de verdade? Que eu deveria parar de pensar tanto, e apenas viver essa fase intensamente, e é isso que eu vou fazer daqui pra frente.
Fase boa ou ruim? Não sei e não quero saber.
Estou feliz, e isso é tudo o que realmente importa.

m.

sábado, 14 de agosto de 2010

Sorrir é diferente de rir.


Não sei ser falsa, não sei me aproximar de alguém por mero interesse. Não sei fingir, principalmente quando se trata de sentimentos.
Não sei fingir estar feliz. Não sei dizer eu te amo, sem amar.

Outra coisa que não sei é não ser eu mesma, não me importo se dizem que sou mau humorada, chata, ironica e mimimi.

Acho que cada um tem de mim o que merece.
Lembro de quando eu era pequena, crianças geralmente mentem muito, mas eu nunca soube mentir, e nunca acreditei nas mentiras que me contavam, talvez porque exista algo acima dos lábios mentirosos que é capaz de desmascarar qualquer um, os olhos.
A pessoa pode rir, fingir e até dizer que está tudo bem. Pode fingir tanto, ao ponto de enganar a si próprio, só que uma hora ou outra a máscara cai. E quando ela cai, ela se quebra, e por mais que tente colar os pedaços, sempre existirão as marcas.
Triste ou feliz, seja qualquer um dos dois mas nunca finja. Nunca.
m.

sábado, 7 de agosto de 2010

Viva o dia em que nada deu certo.


Sábado á noite em casa, sem fazer nada, uma coisa incomum para mim. Então escrever no blog e ouvir Oasis se torna o meu único passatempo.
Estou bem. Sem absolutamente nada pra fazer, com dor de garganta, meio dopada de tanto tomar remédios, mas bem.
Estou feliz apesar de tudo que vem acontecendo nos últimos dias, apesar de tudo nessa pequena cidade me cansar profundamente.
Mau humor? Será que isso existe? Se existe posso acrescentar isso a minha lista de coisas ruins de hoje.
Ás vezes eu só queria ter uma vida agitada, uma vida menos normal. Mas como não é bem assim, eu finjo que as coisas vão bem... Talvez esse seja meu problema, ficar enfeitando as coisas, fazendo com que tudo em minha vida seja tão fantástico, mas não é.
Não vejo nada de tão fantástico na minha vida, não sou uma estrela do rock como gostaria de ser, não sei voar, não tenho super força, não sou famosa, não sou a namorada do Lucas Silveira.
E talvez eu nunca venha a ser todas essas coisas, talvez eu continue sendo a mesma MayaraLarissa Benatti, mais conhecida como May, a menina que gosta de escrever.
Talvez tudo isso seja fantástico, e seja apenas questão de tempo para eu perceber.
Estou confusa, é. Mas por enquanto o "talvez" é tudo o que realmente sei.

m.





terça-feira, 3 de agosto de 2010

Memories, memories ...


Saudade é um estranho modo de trazer as coisas de volta, em forma de lembranças, que as vezes são tantas que já não cabem dentro do coração e dentro da cabeça. Lembranças de uma viagem perfeita, de um dia em que tudo deu errado mas que no fim tudo deu certo, lembranças de um amor de inverno, de um show inesquecível, de pessoas que você nunca mais irá ver, de tudo o que agora não passam de memórias, e nunca mais irão se repetir. E isso ocupa tanto tempo, mesmo quando você está ocupada fazendo todas as coisas do mundo e todas ao mesmo tempo. Então tenta se livrar disso de algum modo, porque isso pesa, quer arrancar isso de dentro de ti, e ás vezes a única maneira de se fazer isso é com as lágrimas. É como se cada lágrima fosse uma lembrança, que pouco a pouco vão caindo pelos olhos e assim se vão para sempre. E finalmente tudo volta ao normal, pelo menos por enquanto.

m.