domingo, 11 de setembro de 2011

Write, rewrite. How many times as necessary.


Ontem, eu estava escrevendo uma dissertação sobre o livro "Urupês" de Monteiro Lobato, para a aula de literatura. Estava ficando boa até, mas eis que minha gata desliga o computador, e eu perco tudo o que havia escrito.
Tudo bem, o próximo passo foi religar o computador, e tentar escrever uma nova dissertação. O problema é que eu nem conseguia começar a escrever, isso porque eu estava tão presa à antiga dissertação, que qualquer coisa que eu escrevia parecia ser erronea. Então eu comecei a tentar reescrever com as mesmas palavras da antiga, o que acabou não dando muito certo porque minha memória não estava tão boa.
Na vida é assim, às vezes você se prende tanto ao que foi perdido que não consegue viver o novo, não consegue se acostumar com pessoas novas, lugares novos, situações novas... E então você tenta reescrever pelas mesmas linhas, buscando uma sombra do que já se foi. O problema é que a borracha da vida apaga sem deixar sombras. Não da pra recuperar aquilo, nunca mais.

Ontem mesmo, após escrever parte desse texto, consegui escrever a dissertação, e agora a pouco, finalizei a mesma. E modéstia a parte, ficou bem melhor que a antiga.

Aos poucos vou reescrevendo minha vida por lugares diferentes, procuro não lembrar de palavras passadas. Estou dando uma chance ao novo, ao desconhecido, ao diferente e até mesmo ao improvável.
Está dando certo até agora.

We can be heroes, just for one day.


m.

Nenhum comentário:

Postar um comentário