segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Shadowplay


O que eu me tornei? Algo que oscila entre o certo e o errado, de certo só o pensamento, de errado a maioria das ações. E eu não sei mais o que eu considero certo ou errado. Eu quebrei todos os meus conceitos, eu fugi das minhas próprias regras, eu me tornei alguém desconhecido para mim mesma.
As pessoas dizem que eu mudei, mas nenhuma delas nunca me conheceu de verdade, ninguém me conhece, essa é a verdade. É preciso ser portador de uma sensibilidade enorme pra isso. Eu não sou a mesma com todo mundo, sou diferente com cada pessoa. E se alguém quiser realmente me conhecer, tem que ser capaz de desvendar essas mil e uma faces. Ter mil e uma faces não significa que eu seja falsa. Apenas acredito que preciso agir de acordo com o que a outra pessoa é.
E aqui no papel é onde eu não tenho nenhum segredo, onde eu sou uma só. No papel eu não preciso manipular nada, não preciso fingir, não preciso omitir. As palavras escritas por mim são as únicas que me conhecem de verdade e graças a caneta eu consigo fazer com que todos vejam isso, mesmo que metaforicamente.


Se eu viesse com manual de instruções, com certeza estaria escrito: "Leia as entrelinhas e entenderá."

m.

Nenhum comentário:

Postar um comentário