quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Ausência de vento

Não me deixe assim, solta, ao vento
Não quero fazer da libertina solidão
Meu alento
Ou desatinar na noite clara
Insone, quente e nada úmida.

Solidão, essa, bem conheço
Na verdade é desalento
Gostar dela é quase um medo
Mas no fundo te mereço.

Nenhum comentário:

Postar um comentário